Desafios do “novo normal”: como ficará a comunicação?

By ADS Comunicação Corporativa

Se a inovação já era algo mandatório para a maioria das empresas lá no início de 2020, ela tem se mostrado ainda mais necessária após a inesperada pandemia que pegou a todos de surpresa e abalou pessoas e economias em todo o mundo.

Em um novo momento pautado pela necessidade de adaptação, muitas companhias se viram na obrigação de repensar seus modelos de negócio e desenvolver soluções criativas para sobreviver diante do chamado “novo normal”.

Além das soluções imediatas que tiveram que ser aplicadas na rotina das empresas, existem ainda os impactos que serão vivenciados a longo prazo e que afetam principalmente a forma como passaremos a nos comunicar daqui para frente.

Quando falamos em comunicação, será necessário um novo entendimento do comportamento do consumidor e, sobretudo, criar um  modelo de diálogo para se reposicionar no  mercado pós-pandemia.

Pouco aproveitado pela maioria das empresas, o marketing digital acaba se revelando uma das principais formas de se manter ativo diante de um cenário de isolamento social, reforçado por um modelo de trabalho remoto implantado de forma imediata nas empresas.

E como será a comunicação nesse “novo normal” e a nova realidade que experimentaremos, as expectativas de uma sociedade mais consciente e, consequentemente, em que o consumo exacerbado seja menor.

A relação com o consumo terá que ser repensada e, nesse contexto permeado por desafios, como se mostrar essencial?

Se por um lado existem as marcas que tentam garantir que seus produtos e serviços cheguem até o consumidor, do outro temos as áreas da comunicação e das relações públicas que se tornam protagonistas no processo de entender quem é esse cliente, quais são os seus gostos e aspirações, comparar concorrentes e, sobretudo, saber qual o melhor momento para agir.

Diante de uma transformação tão grande, estar a par das principais tendências de comunicação para o pós-pandemia é questão de sobrevivência.

Presença online

A digitalização do nosso estilo de vida já é uma realidade e como diz o ditado: quem não é visto não é lembrado. Assim como os grandes eventos já se transformaram em seminários virtuais, a forma de consumo também tem apresentado mudanças significativas.

De acordo com um estudo realizado pela Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC), 61% dos entrevistados passaram a fazer mais compras online durante a pandemia, enquanto 70% pretendem continuar comprando dessa forma mesmo após o fim do período de isolamento social.

Ter o mundo inteiro em casa, com acesso restrito ao ambiente externo, resultou em mais pessoas consumindo conteúdo em sites ou rede sociais e fez com que as formas de comunicação fossem também online.

Como consequência disso, a produção de conteúdo em plataformas digitais, que já era vista como uma grande tendência, se torna obrigatória para quem deseja se destacar, aumentando a necessidade de investimento em presença online.

Comunicação como protagonista

Muitas empresas já estavam se encaminhando para a digitalização e têm se empenhado em alavancar sua marca nas mídias online. Para essas a comunicação corporativa se torna essencial e a grande responsável pelas estratégias de posicionamento da organização diante da sociedade.

Comitês de gerenciamento de crise e planejamento de conteúdo para os diferentes meios, além de um bom relacionamento com a imprensa, são cada vez mais importantes. Demandam um bom conhecimento sobre comunicação corporativa para que não tenham o efeito contrário e acabem afetando a reputação da empresa, já que nos meios digitais tudo circula de forma mais rápida e intensa.

Comunicação interna como um dos pilares das empresas

Além da necessidade de se posicionar de forma correta para o público externo, as empresas passam também a enxergar a importância de manter uma comunicação ativa e transparente com seu público interno.

Em um modelo de trabalho a distância, as trocas diárias acabam se tornando cada vez menos frequentes e, com isso, a sensação de pertencimento pode diminuir. Funcionários engajados refletem diretamente na imagem da empresa.

Este efeito é amplificado por meio das redes sociais, por isso é importante criar ações de interação, engajar os colaboradores e, sobretudo, criar canais oficiais para comunicados, evitando assim a disseminação das fake news, principalmente em períodos pautados por medos e incertezas dentro das corporações.

Humanização das marcas

Cada vez mais o público tem evitado a comunicação diretamente com as marcas e tem buscado dialogar com pessoas. A exemplo disso, temos os influenciadores digitais que exercem um grande poder de compra sobre o consumidor já que do outro lado da tela temos uma pessoa comum falando sobre sua experiência em relação a um determinado produto. Não à toa, grandes marcas como Magazine Luiza e Natura também investiram em personagens que dialogam de forma orgânica e real com seu público, criando um sentimento de aproximação.

A atual pandemia trouxe à tona um comportamento de consumo mais humanizado, pautado por questões sociais e ambientais, que são cada vez mais relevantes. Esses pilares devem passar a ser vistos com frequência nas estratégias de comunicação das marcas, mas de forma natural e não visando o lucro.

Afinal, o acesso à informação facilita a busca pelo histórico de uma empresa e as pessoas já deixaram claro que sabem diferenciar ações forjadas para ganhar reconhecimento.

No atual cenário da comunicação, se destaca aquele que melhor define seus objetivos e apresenta as soluções mais inovadoras para se adequar à nova realidade do consumidor. Quer saber como posicionar sua empresa no “novo normal”?

Venha conversar com a gente!

Preencha o formulário abaixo e conheça mais nosso trabalho.